Associação Assuense de Taekwondo
25/07/2013

Nota Oficial à Imprensa CBTKD

CBTKDA Confederação Brasileira de Taekwondo (CBTKD), por seu Presidente Carlos Fernandes, vem por meio desta se manifestar com relação às últimas publicações veiculadas na rede social e mídia. A CBTKD informa que respeita as manifestações legítimas, sem violência e ataques pessoais, por serem instrumento do Estado de Direito e da Democracia. A CBTKD lamenta o corte da verba de patrocínio da Petrobras para as modalidades de boxe, esgrima, levantamento de peso e taekwondo. Por meio de sua assessoria de imprensa, a Petrobras divulgou em diversos meios de comunicação que “houve uma peculiaridade com o contrato de 2012, que só se encerrou no mês passado.” Dessa forma, para este ano, “por uma questão de adequação ao calendário, o contrato se estenderá até o mês de dezembro e o valor projetado para os meses restantes é de R$ 8 milhões.”, lembrando que esse valor é para abranger todas as modalidades patrocinadas pela Petrobras, através do Instituto Passe de Mágica. Em seu portal, o IPM esclarece o seu modelo de gestão do patrocínio da Petrobras – Projeto Plataforma 2016, onde “as confederações, como responsáveis pelas decisões técnicas relativas às modalidades, informaram quais eram os principais recursos necessários para o desenvolvimento de seus respectivos planejamentos”. A Petrobras investe seus recursos de patrocínio em quatro pontos principais: Materiais, equipamentos e serviços, Intercâmbio técnico, Recursos humanos e Atletas, este último por “seguro saúde, plano de saúde odontológica, bolsa de estudos, vale-transporte, vale-refeição e seguro de vida e contra acidentes.” No mesmo portal a Petrobras também informa que “como patrocinadora, assumiu a responsabilidade pela gestão administrativa e financeira do projeto”, ou seja, a verba de patrocínio da Petrobras direcionada ao Taekwondo é plenamente administrada pelo própria IPM, portanto a CBTKD não possui gerência financeira da mesma, não havendo a possibilidade de má administração da verba do patrocínio recebido, visto que o IPM administra a verba repassando-a diretamente aos atletas patrocinados. E o faz com clareza e discernimento, visando a oportunidade para novos talentos e a manutenção de atletas com alto rendimento. Gostaríamos de frisar que os atletas que atualmente são contemplados com bolsa de patrocínio da Petrobras, por preferência da patrocinadora, são os titulares da seleção. A bolsa não se estende a reservas da Seleção Brasileira. Entre os 16 atletas titulares, 6 não foram contemplados pelo projeto, sendo eles: Douglas Marcelino (RJ), Luiz Vignoli (RJ), Leidiane Santos (SP), Rafaela Araújo (SP), Débora Nunes (SP), e Gabriele Siqueira (SP). Os critérios utilizados pela comissão técnica da CBTKD para a continuidade da Bolsa-auxílio foram: Atleta mais jovens combinando: – Atleta que tenha expressão com resultados Nacional e Internacionais nos últimos 02 anos. – Biótipo ideal para modalidade. – Atletas que tenham melhor desempenho nas 02 últimas avaliações físicas. – Atletas que tenham melhor qualidade técnica dentro de uma tendência para uso do colete eletrônico. – Disciplina alinhada ao perfil de um atleta de rendimento. – Atletas com maior chance de conquista de medalhas para as Olimpíadas de 2016. A patrocinadora contempla única e exclusivamente 10 atletas titulares da Seleção Brasileira de Taekwondo, que foram campeões da Seletiva Nacional de 2013, sendo eles: João Miguel Neto (PR), Guilherme Dias (DF), Felipe Kenji (PR), Nicollas Pigozzi (SP), Henrique Precioso (SP), João Pedro Chaves (PR), Iris Sing (AP), Talisca Reis (PR), Natalia Falavigna (PR) e Julia Santos (SP). O programa não contempla atletas reservas da Seleção Brasileira de Taekwondo, são eles: Diogo Silva, Thiago Simões, Venilton Torres, Márcio Wenceslau, Marcel Wenceslau, Fidel Silva, Lucas Ferreira, Gilberto Souza, Kátia Arakaki, Fernanda Mattos, Lívia Forte, Natália Machado, Talita Djalma, Marina Souza, Ana Carolina Souza e Marriane Hormann. A informação do corte dos 6 atletas titulares da Seleção Brasileira de Taekwondo veio após o fechamento do planejamento da entidade para o ano de 2013. Sendo que a verba da Lei Piva atribuída a CBTKD pelo COB para o ano de 2013, não sofreu nenhum tipo de reajuste. Porém a CBTKD já estava avaliando a continuidade do pagamento do Bolso Auxílio para esses 6 atletas titulares, através da Lei Piva, para que os mesmos fiquem em condição de igualdade com os demais titulares. O orçamento atual da Lei Piva na entidade está distribuído da seguinte forma: Fomento da Modalidade – 34% Preparação técnica – 30% Organização parcial de competições nacionais – 17% Manutenção parcial da entidade – 19% As despesas adicionais com a manutenção da entidade e com a organização de competições nacionais são custeadas com receitas de verba própria da entidade, (registros e anuidades de atletas, taxa de inscrições em evento). Quanto à publicação do Comitê Olímpico Brasileiro sobre a constituição de uma Comissão Especial para apuração de possíveis irregularidades, a CBTKD está à disposição para prestar esclarecimentos, por entender que o COB respeita a autonomia de suas filiadas. Da mesma forma, a CBTKD em nada se opôs quanto à auditoria realizada por auditores independentes, também por solicitação do Comitê Olímpico Brasileiro. Assim sendo, a CBTKD coloca-se à disposição tanto dos representantes dos manifestantes, que estejam filiados à CBTKD, bem como do Comitê Olímpicos Brasileiro para esclarecimentos que se fizerem necessários. Porém, até o momento, a CBTKD não foi procurada. A CBTKD não mede esforços para o fomento do Taekwondo no Brasil e continuará trabalhando para o crescimento da modalidade de todas as formas possíveis. FONTE: Assessoria de Imprensa da CBTKDmail marketing

...